quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Reflexo

É tarde da noite, a janela aberta convida a brisa serena de um céu plácido sem luar. Meus pensamentos me distraem, palavras emergem de forma aleatória em minha mente. Agarro-me a uma; espelho! Como o sono teima em me possuir, caminho até o espelho mais próximo. Encaro a imagem que se forma sobre a tenra luz e eis que me pego ponderando:

- Espelho, espelho meu! O que esse reflexo diz sobre o meu eu?

- Diz o que falta, responde uma voz proba. - O que falta para ser o que deveria ser! Mostra as marcas do tempo que estão estampadas em sua face. Cada ruga, cada fio de cabelo a grisar são a prova de suas escolhas. É um mapa que lhe ajuda a compreender todas as escolhas erradas. Ah! Já os espaços vazios que seu reflexo revela em sua pele! Ahh! Esses dizem o que você ainda pode ser! São as oportunidades que a vida, generosamente, ainda lhe dá. Cada nova ruga, cada novo fio de cabelo a grisar que preenchem um espaço vazio, contam. Não deixe que suas rugas e cabelos grisalhos sejam sinônimos de arrogância, mas sim de humildade. Não se torne velho, mas sim sábio! Os espaços vazios, de pele ainda branda, traçam um infinito de caminhos para cumprir sua sina no mundo: ser, essencialmente, bom.

sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

Bazar da Aspiração

Dia após dia
Seja um dia ruim
Ou um dia bom
Vendem-se desejos!
É como o intrépido Chaves a gritar:
Churros, churros! Olha o churros!
Mas não são churros!
São desejos!
Só não lhes dizem o óbvio
Não são os seus desejos!

Dia após dia
Seja um dia alegre
Ou um dia triste
Compram-se desejos!
É como o tenebroso Gollum a gorgolejar:
Ah, meu precioso! Meu precioso!
Mas não têm valor!
Quimeras de uma sociedade torpe
Produtos de indivíduos fúteis
Prelúdio da inanição!

O pior cego, dizem
É o que não quer ver!
Então...
Por que compras o desejo de outrem?
O pior cego, digo
É o que não quer sonhar seus próprios sonhos!